Mensagem do Prior Geral dos Agostinianos Recoletos sobre a eleição do Novo Papa

Francisco,
Novo e refrescante ar do Sul

A eleição do cardeal Jorge Mario Bergoglio como Bispo de Roma foi para mim uma grande alegria e motivo de renovada esperança. Dou graças ao Senhor e me pergunto: O que o Espírito quer nos dizer com este novo Papa?

Para mim, a eleição do Papa Francisco tem um profundo significado. Creio que é o Pastor que Deus envia hoje ao mundo. Antes de abençoar o povo, o Santo Padre pediu para si a oração e a bênção do povo. Ele caminha com o povo de Deus, com todos nós - entre dificuldades e esperanças - por um caminho de fraternidade e amor. Poucas horas após sua eleição, foi possível perceber que se trata de um homem de fé e oração, bom e simples, renovador e evangelizador, alegre e com profundo sentido de Igreja.

O fato de ser o primeiro papa a escolher o nome de Francisco, é significativo na linha da renovação da Igreja. Evoca o testemunho de vida evangélica, a renovação espiritual, o serviço à Igreja e a simplicidade de vida. E, em sendo o primeiro papa jesuíta é, para nós, os religiosos, muito importante, já que conhece nossa vida e missão; sabe aquilo que hoje os religiosos podemos oferecer à Igreja e a todos as pessoas e, portanto, o serviço que, como pastor universal, ele pode nos pedir.

Destaco também que a eleição do Papa Francisco manifesta a universalidade e a esperança da Igreja: é o primeiro pontífice procedente do Hemisfério Sul e de um país latino-americano. Enche-me de alegria que os cardeais tenham ido buscar o novo Papa quase “no fim do mundo”. No coração de Cristo o mundo está globalizado no amor, e uma prova é que o Papa chegou a Roma vindo da Argentina. O Espírito sopra onde quer, os planos de Deus rompem fronteiras, unem os corações e superam nossas avaliações, projetos e seguranças humanas.

Miguel Miró
Agostinianos Recoletos